Minha princesa

Já estava tarde e não podia demorar-me na rua. Tinha sido uma bela noite com minhas amigas, nos divertimos bastante, agora elas estavam nas casas delas e eu aqui, indo para minha. Agora, tinha que passar pelo park, acho que a parte mais perigosa era essa: passar por um local fechado que só tinha arvores em volta. Mas eu não tinha nada a temer, sabia que ele estaria me protegendo.
Continuei a andar, e de repente ouço passos atrás de mim, droga! Começo a andar mais rápido, e ouço os passos atrás de mim avançando. Olho para trás, não vejo ninguém. É bom o idiota do Peter não estar brincando comigo. E não, ele não está. Mãos fortes me agarram por trás, eu grito. Me batem, tento me desvencilhar. Grito mais uma vez e uma mão me tapa a boca. Me esperneio,me batem. Eu estava assustada e com dor. Aqueles olhos frios e monstruosos só queriam uma coisa. Estava frio. Aquele homem rasga minha blusa, eu me debato mais ainda e ele me bate. Fico tonta com a pancada e tudo o que sinto é dor e frio. Paro de tentar escapar: já não tenho mais energia. O homem tira minha calça. Frio. Barulho. Exclamações. Vejo o homem ser lançado para longe de mim. Luz. Frio. O que estava acontecendo? Seria tudo fruto de minha imaginação na tentativa de aliviar meu sofrimento? Braços quentes me pegam, reconheço esses braços. Olho para o rosto dele.
- Peter - sussurro. Ele estava preocupado.
- Não fale - disse ele. Logo estávamos no meu quarto, ele me colocou na cama. Meu corpo doía e eu estava com frio. Me enrolei na coberta. - Você está bem? - perguntou ele
- Agora sim. O que... o que aconteceu? - perguntei
- Um homem tentou te estuprar e quase conseguiu.
- Como sabia onde eu estava?
- Eu sempre sei - ele me abraçou.
- Ai - exclamei. Meu rosto doía, e deveria estar todo roxo.
- Desculpe - disse ele. O halito dele contra minha face era quente e bom. Mais uma vez desejei-lhe os lábios. Ele beijou onde estava machucado, e como mágica a dor sumiu. Eu olhei nos olhos dele. Aqueles olhos lindos, pretos, grandes, brilhantes, hipnotizantes...
- Te amo - disse para ele. Ele sorriu e sussurrou no meu ouvido:
- Também te amo - disse ele me abraçando bem forte. Eu poderia ficar ali para sempre, perdida entre aqueles braços fortes que agora me esquentavam. E foi ali que adormeci. Entre carinhos e palavras sussurradas que adentrei na inconsciência. Estava agora feliz. Quente. Era bom tê-lo ali novamente. E a ultima coisa que ouvi, antes de adormecer foi: te amo minha princesa.