O impossível é o limite da sua imaginação.

Ela estava no meio da floresta. Havia feito trilha como de costume, mas desta vez havia se distanciado do caminho. Queria experimentar algo. "Feche os olhos e abra a mente" haviam lhe dito, e foi o que ela fez.
Rosie fechou os olhos, se concentrou, o mundo era bem mais divertido com um toque de magia. Abriu sua mente, como também o fez com os olhos. O mundo já não era o mesmo. O que antes eram borboletas, agora eram fadas. Flores viraram casinhas, as arvores se tornaram encantadas, as flores cantavam uma melodia que só elas sabiam entoar, o sol já brilhava de um jeito diferente, e as formigas já eram diferentes. 
Ela começou a andar pelo bosque, e a cada passo se surpreendia cada vez mais. Logo um lago apareceu, vindo de uma cachoeira esplendida, dentro d'água se viam peixes coloridos, animaizinhos que mudavam de cor, algas magnificas. Pétalas rosas voavam em volta dela, tudo era tão lindo. O mundo lá fora já não parecia existir. Tudo ali era perfeito. Poderia ser tudo o que quisesse, fazer tudo o que quisesse. O céu era de um tom rosado, e o sol morria lindamente atrás das montanhas. Magnifico pensou. Andou até achar um rio, chegou perto, a água era cristalina e havia pedras coloridas no fundo. E então de repente, algo começou a vir do fundo, era azul. Quando um corpo humano emergiu ela se assustou e depois ficou maravilhada. Ele era lindo, branco de cabelos pretos e olhos de um azul profundo, jamais visto. Se aproximou dele e olhou dentro d'água, onde deveria haver pernas havia uma calda, da cor dos olhos. E como havia aparecido, rapidamente mergulhou e sumiu. 
 -Espere - ela gritou, mas nada mais adiantava, ele já havia ido. O celular dela tocou, a concentração sumiu, e de repente ela se viu diante de um pequeno lago, sem vida. Já era quase de noite e tudo voltou a ser como era antes. Droga de celular. Queria continuar ali, flutuando em sua imaginação, mas já era tarde e resolveu ir embora. Sabia que iria voltar, queria mergulhar mais fundo dentro de sua mente. Afinal, o impossível é o limite de sua imaginação.